Sobrevoar o tempo

O voo ia cheio nesse final de dia. O horizonte da cabine revelava cabeças em todos os assentos. Num dos últimos, um casal de meia idade cede, educadamente, passagem a uma rapariga que viajava com um livro na mão.

Essa fila, como tantas outras, albergava a sua história única. Mas esta, era uma daquelas que muda a rotação do mundo, que acelera as voltas que dá sobre o seu eixo, e que ameaça virá-lo ao contrário.Read More »

Transbordar de saudade

“Desde sempre, a municipalidade de Lisboa colocou assentos públicos (…) dos quais se avista a linha do mar. Muitas são as pessoas que neles se sentam. Em silêncio, olham ao longe. Que estão a fazer? Estão a praticar a Saudade. Tentem imitá-las. É claro que é uma via difícil de percorrer, os efeitos não são imediatos, por vezes é preciso saber esperar mesmo muitos anos. Mas a morte, é sabido, também disso se faz.”  Antonio Tabucchi em “Os Voláteis de Fra Angelico”

Todos as noites olho para o tecto alto por cima de mim. A mancha quase imperceptível alarga-se a cada insónia, expande-se e desenha formas que a minha mente cansada não se atreve a decifrar. Read More »